25th Dec 2008

  1. Sign in
    1. Um gato chamado «Natal»

      Alan abriu a porta das traseiras na manhã de Natal e encontrou o pátio coberto com um belo manto de neve branca e cintilante. Mas não lhe encontrou qualquer beleza.

      Alan sentia-se infeliz, como acontecia muitas vezes, porque não recebera o que queria no Natal. Em vez da arma BB que pedira, Alan recebera uma bicicleta nova. Era uma bicicleta vermelha, reluzente, com rodas cromadas e borlas azuis e brancas, presas no guiador. A maioria das crianças teria ficado contente se a encontrasse ao lado da árvore na manhã de Natal, mas Alan não.

      «És muito novo para teres uma arma», explicara a mãe, tentando consolá-lo. Mas não resultara. Ficara amuado toda a manhã. Quando Alan estava triste, queria que todos também estivessem tristes.

      Por fim, depois de abertos todos os presentes, o pai pedira a Alan que levasse as caixas e o papel de embrulho para o lixo. Quando Alan atirou os papéis para dentro do barril, um gatinho trémulo espreitou por detrás da vedação e saudou-o com um tímido «miau».

      — Xô! — disse Alan, num tom sibilante, ao gatinho, que ignorou a ordem e correu ansiosamente para o rapaz. — Seu vadio. Se tivesse uma arma, dava-te um tiro.

      Bateu com a tampa da lata do lixo e dirigiu-se a casa, com o gatinho a correr atrás dele.

      Quando Alan subiu as escadas do alpendre ouviu outro «miau», olhou para baixo e viu o gatinho parado junto dos pés dele.

      — Pensei que te tivesse mandado embora — disse ele, zangado, e empurrou o gatinho pelas escadas abaixo com a biqueira da bota.

      Mas, antes que Alan pudesse abrir a porta e entrar, lá estava o gatinho, a roçar-se nas pernas e a olhar para ele, cheio de esperança.

      — Não és um gato a valer — disse, quando se sentou no lanço de escadas e coçou o gatinho atrás das orelhas. — És a coisa mais feia que já vi.

      O gatinho estava escanzelado por causa da fome e o pêlo era um emaranhado de cores — castanho e preto e branco e laranja e castanho-claro.

      — Tens todas as cores que os gatos podem ter. Mas é Natal — reflectiu — e creio que não há mal nenhum se te der alguma coisa para comeres. — Por isso, entrou na cozinha e voltou com uma malga de leite para o gatinho.

      Mas o gatinho mostrou pouco interesse pela comida, embora estivesse esfomeado. Em vez disso, trepou para o regaço de Alan, roçou-se no casaco e começou a ronronar.

      — És uma coisinha meiga — disse o menino, acariciando o gatinho feliz.

      E, pouco tempo depois, Alan também se sentia feliz. Esquecera-se de que estava zangado por causa da arma BB, e o gatinho magricela já não parecia tão feio.

      Com o gatinho debaixo do braço, Alan entrou na cozinha, onde a mãe preparava o jantar.

      — Olha o que encontrei! — exclamou radiante, quando pousou o pequeno gato num tapete em frente do fogão e lhe foi buscar outra malga de leite.

      — Sabes que não podes ficar com ele — avisou a mãe — mas podes dar-lhe de comer. Afinal, é Natal.

      A mãe de Alan não tencionava permitir que o gato ficasse em casa. Este lambeu o leite e acabou por adormecer no tapete em frente do fogão, quando a mãe de Alan se ajoelhou para pegar nele e o pôr de novo no alpendre das traseiras. O gatinho bocejou e espreguiçou-se, roçou o focinho no queixo dela, começou a ronronar e adormeceu de novo.

      — És um bichinho amoroso — disse ela, suavemente, pousando-o outra vez no tapete.

      O pai também disse que Alan não podia ficar com o gato. Mas mais tarde, nesse dia, quando estava sentado a ler em frente da lareira, sentiu uma coisa a puxar-lhe a perna das calças. Quando olhou para baixo, o gatinho brincalhão subiu-lhe pelo braço e, sentando-se no ombro, mordeu-lhe suavemente o queixo e começou a ronronar. Quando o pai de Alan tirou o gatinho do ombro e o segurou nas mãos, o gatinho levantou os olhos e fez «miau» ao homem que lhe sorria. Ao fim da tarde, o gatinho tinha encontrado um lar.

      — Como lhe vamos chamar? — perguntou Alan quando a mãe o meteu na cama.

      — O gato é teu — disse a mãe. — Mas, uma vez que veio hoje, por que não lhe chamas Natal?

      E Alan adormeceu com o gatinho chamado Natal aninhado ao lado dele.

      O menino acabou por adorar Natal. «Era o melhor presente de Natal que podia receber», pensou. No Verão seguinte, passaram horas intermináveis juntos e, quando Alan regressou à escola, no Outono, chegava a casa todas as tardes e encontrava Natal à espera dele na porta das traseiras, ansioso pelo regresso do companheiro de brincadeiras.

      Natal corria atrás de Alan pelo grande carvalho acima, ou andava no atrelado, ou tentava apanhar a cauda de um papagaio quando o amigo o lançava na direcção do céu claro e azul. Natal era o melhor amigo de Alan, e este já não era um menino infeliz.

      Embora fosse evidente que toda a gente na família adorava o gatinho, e ele estava sempre ansioso por lhes retribuir esse amor, Alan sabia que era dele que Natal gostava mais. Mas a mãe de Alan, quando Natal, todo contente, se roçava nas suas pernas enquanto ela preparava uma refeição, e o pai, quando e

More from voyeurdapoesia

  1. 8voyeurdapoesia
  2. 6voyeurdapoesia
  3. 4voyeurdapoesia
  4. 3voyeurdapoesia
  5. 2voyeurdapoesia
  6. 1voyeurdapoesia
  7. 30voyeurdapoesia
  8. 29voyeurdapoesia
  9. 28voyeurdapoesia
  10. 27voyeurdapoesia
  11. 26voyeurdapoesia
  12. 25voyeurdapoesia
  13. 23voyeurdapoesia
  14. 22voyeurdapoesia
  15. 21voyeurdapoesia
  16. 20voyeurdapoesia
  17. 19voyeurdapoesia
  18. 18voyeurdapoesia
  19. 17voyeurdapoesia
  20. 16voyeurdapoesia
  21. 15voyeurdapoesia
  22. 14voyeurdapoesia
  23. 13voyeurdapoesia