15th Nov 2008

  1. Sign in
    1. \tO homen pena por estar exposto. Sem querer concebe fantasias eróoticas numa reunião de trabalho eo volume da calça o entrega. Ele não consegue esconder quando está desejando, quando está distraído, quando está longe. Incapaz de mentir sua vontade. Incapaz de fingir. Incapaz de disfarçar.
      \tUm leve presságio, o membro salta. Ajeita-se de lado, ele dá cambalhota e retorna a posição original. Tem a elasticidade de um ginasta olímpico. Tenta-se recordar da vó, da tia, da morte, da mendiga mais descabelada, despistar as imagens, mas nada o demove da inflação. O equivalente seria se, excitados, os seios crescessem, a ponto de furar o sutiã ou inchar a blusa.
      \tE comum o homem despir na sua imaginação a mulher com quem conversa. Terrível confessar isso, mas é um hábito, um treino, uma maldição. Tanto faz o assunto, ele tratará de arrancar as roupas dela em pensamento. COnfere se vai apreciar e sonda as consequências. É obvio que nem sempre aguenta avançar no excercício.
      \tNão se respeita um homem com pau duro. É - de cara - um tarado. Provoca a piada. Desde criança, enfrenta-se o constrangimento de abafar o desejo e a curiosidade, de enganar o corpo.
      \tJá passei por várias dificuldades. NA escla, sentava atrás da menina que gostava. Numa manhã, ela veio com os cabelos cheirosos, cheirosos demais. Fechei os olhos e iniciei o percurso de seu pescoço. QUando chegava perto da boca, a professora de Matemática me chamou ao quadro negro. O que fazer ? Tinha um agravante do uniforme escolar, cilada para as crianças excitadas. A calça de abrigo, o tecido leve, facilitava a alavanca. Preso a cadeira, disse que desconhecia a resposta e que convidasse outro. Ela insistiu que eu fosse. Fui arrastei o caderno comigo. A professora advertiu para deixa-lo na carteira. As risadas vieram logo depois para balançar o lustre.
      \tEm outra cena, eu transava quando chega o entregador de comida árabe. No terceiro toque da campainha, decido ir de qualquer modo. Ando meio encurvado, para desviar a atenção. O entregador observa o desnivel da minha cintura e descubro que ele é banguela. Levei a encomenda com a terceira mão.
      \tO pau é incontrolável, não tem como suborná-lo ou fazer um acordo - goza de vida própria. Ele poderá apreciar o que seu dono não aprecia, pedir para fazer o impossível, encantar-se nos momentos de maior constrangimento e luto. Não respeita a mulhe de seu melhor amigo ou a filha de sua melhor amiga. Endurece, e pronto, teimoso que só vendo. O jeito é dobrar as pernas, andar como um pato, botar a pasta na frente e rezar, rezar muito para que ninguém note a diferença.
      \t
      Fabrício Carpinejar, Canalha

More from weasel_rj

  1. 12weasel_rj
  2. 30weasel_rj
  3. 16weasel_rj
  4. 31weasel_rj
  5. 25weasel_rj
  6. 22weasel_rj
  7. 10weasel_rj
  8. 9weasel_rj
  9. 6weasel_rj
  10. 3weasel_rj
  11. 2weasel_rj
  12. 29weasel_rj
  13. 2weasel_rj
  14. 6weasel_rj
  15. 2weasel_rj
  16. 30weasel_rj
  17. 24weasel_rj
  18. 17weasel_rj
  19. 12weasel_rj
  20. 30weasel_rj
  21. 23weasel_rj
  22. 21weasel_rj
  23. 16weasel_rj